Notícias


Publicado em:
7
12/2018

Painel Expomusic debate mercado da música na SIM São Paulo

Consenso é que indústria de instrumentos e cena musical precisam convergir.



Metatags: Expomusic, SIM São Paulo, Centro Cultural, Anhembi, Música, Instrumentos Musicais, Conexão
Jota Silvestre/Divulgação

Enquanto o consumo de música aumenta, a venda de instrumentos musicais vem caindo. O fenômeno, mundial, se mostrou ainda mais relevante no Brasil em razão da crise econômica dos últimos anos, que afetou, sobretudo, o bolso dos consumidores.

A solução passa pela convergência desses dois setores – música e instrumentos – que, apesar da estreita relação, andam divorciados. Este foi o consenso entre os debatedores do painel “A indústria de instrumentos musicais no Brasil e a nova Expomusic”, realizado no dia 7 de dezembro como parte da parceria entre a Expomusic e a SIM São Paulo.

“A Expomusic vai encabeçar essa transformação e fortalecer a conexão entre instrumentos e música”, garantiu Daniel Lima, diretor da Francal Feiras, referindo-se ao novo formato da feira, agendada para 15 a 19 de maio, em São Paulo.

Mauro Martins, diretor da Pride Music, trouxe uma boa notícia para o debate: o mercado de instrumentos musicais está em recuperação e deve crescer 30% em 2018 na comparação com o ano anterior. Apesar da cifra ainda não ser suficiente para repor as perdas acumulada nos últimos anos, o número mostra que ao menos a sangria foi estancada.

Alec Haiat, produtor musical, empresário e fundador da banda Metrô, definiu o que considera o caminho para o desenvolvimento do mercado: a união do setor produtivo com o criativo.

Gerente de Vendas da Shure Brasil, Priscila Berquó tocou no ponto que pode explicar a desassociação entre instrumentos e música: a mudança nos hábitos de consumo que, segundo ela, boa parte do varejo não está conseguindo acompanhar. “Precisamos subsidiar o varejo para melhorar a experiência do consumidor no ponto de venda”, defendeu.

Não por acaso, é justamente esta a proposta da nova Expomusic, apresentada por Maria Amélia Abdalla, gerente de negócios da Francal Feiras. Por meio de mentorias, talks, workshops, shows, ampliação do mix de produtos, parcerias com festivais – e muitas outras ações em desenvolvimento –, a feira vai “abraçar” este novo comportamento de consumo, capacitar o varejo, abrigar todos os gêneros musicais e consolidar sua relevância no mercado da música.

Com intensa participação do público presente, temas como educação musical nas escolas, o papel das igrejas na formação de novos músicos, troca de instrumentos entre profissionais e lojas, e novas tecnologias também foram colocados em discussão. O debate teve mediação de Fabiana Batistela, criadora da SIM São Paulo.

Leia também: O novo formato da Expomusic

Leia também: SIM São Paulo terá lounge e dia dedicados à Expomusic

Fonte: Primeira Página


Últimas notícias

Indústria 4.0: cibersegurança é fundamental

O alerta vem da Abinc, que salienta a importância da segurança na tecnologia do parque operacional.
Leia Mais

Serasa Experian dá dicas para os consumidores realizarem compras onlines

Especialista em Certificação Digital aponta os principais pontos que os internautas devem se atentar para não caírem em fraudes.
Leia Mais

Especialista alerta sobre o perigo dos gestores tóxicos

Susana Falchi, da HSD Consultoria em RH, aborda o problema das gestões negativas que resultam em processos de assédio moral.
Leia Mais